(35) 3713-2218 / (35) 98866-1902

Bula do Medicamento Androsteron

Androsteron - Bula do remédio

Androsteron com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Androsteron têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Androsteron devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

A 4Medic não vende nenhum tipo de medicamento

Laboratório

Bergamo

Apresentação de Androsteron

compr. de 50 mg: fr. c/ 20 compr.

Androsteron - Indicações

No homem: Diminuição do impulso sexual patológico ou patologicamente aumentado; carcinoma de próstata inoperável; para eliminar o efeito dos andrógenos; em tratam. c/ agonistas LH-RH. Na mulher: Manifestações graves de androgenização como hirsutismo intenso; alopecia androgênica grave; formas graves de acne e seborréia; em pacientes pós-menopausa (calores intermitentes) e em pacientes histerectomizadas.

Contra-indicações de Androsteron

Gravidez, período de amamentação, hepatopatias, icterícia ou prurido severo durante uma gravidez anterior. Antecedente de herpes gravídico, síndr. de Dubin-Johnson e de Rotor, tumores hepáticos atuais ou já tratados. Enfermidades conjuntivas e crônicas, processos tromboembólicos ou antecedentes dos mesmos. Diabetes severa c/ alterações vasculares, anemia de células falciformes, hepatopatias agudas e crônicas. Carcinoma mamário, transtornos congênitos e atuais do metabolismo das gorduras.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Androsteron

Sangue: Anemia: Foram descritos casos de anemia hipocrônica em alguns pacientes tratados c/ Androsteron. Efeitos sobre a coagulação: Há informações de casos de incrementos no plasma de antitrombina III e aumento da atividade fibrinolítica durante o uso de Androsteron. Esses efeitos são considerados benéficos. Cardiovasculares: Efeitos cardiovasculares incluem mudanças na pressão sangüínea, retenção de fluidos, edemas periféricos, tromboembolismo venoso, isquemia miocárdica, falha congestiva do coração, embolismo pulmonar, acidente cerebrovascular e mudanças do eletrocardiograma. Estes efeitos se observam primariamente em pacientes c/ câncer prostático, recebendo altas doses da droga e riscos de severas complicações elevadas durante os primeiros seis meses de terapia. Em estudos comparativos que invocavam pacientes c/ carcinoma prostático, a incidência total da toxicidade foi de aproximadamente 10%, c/ retenção de fluidos (2,4%), mudanças no eletrocardiograma (tipo não-especificado) (1,2%), infarto do miocárdio (3,6%) e lesões tromboembolíticas (2,4%). Esta incidência foi significativamente menor que a observada c/ dietilestilbestrol (34%) e ligeiramente menor que a observada c/ acetato de medroxiprogesterona (18%). Nos grupos de pacientes c/ enfermidade cardiovascular preexistente, o risco de toxicidade c/ acetato de ciproterona incrementou levemente a toxicidade cardiovascular mais freqüente c/ dietilestilbestrol: um leve incremento na tendência geral de mortes por problemas cardiovasculares se observou c/ acetato de ciproterona, se bem que isso tem significância incerta durante a combinação da terapia c/ acetato de ciproterona e baixas doses de dietilestilbestrol. Para câncer de próstata, se informou uma incidência similar sobre a toxicidade cardiovascular (12%). Neste estudo, as tromboses venosas e a embolia pulmonar ocorre em 6% dos pacientes. Os efeitos cardiovasculares adversos têm sido minimizados durante a terapia c/ Androsteron. A hipertensão e a dor no peito foram informadas raramente. Estudos de metabolismo do sódio e água indicam que a diferença dos estrógenos no volume de plasma não é alterada durante a terapia c/ Androsteron, minimizando o risco de falha congestiva do coração. Sistema nervoso central: Efeitos sobre o sistema nervoso central: Quando se administra a pacientes masculinos em altas doses (acima de 300 mg diários), o acetato de ciproterona está associado c/ sedação e retardo, e mudança de estado de ânimo, dores de cabeça e depressões. Estes efeitos podem responder c/ reduções de doses em mulheres recebendo a terapia de combinação acetato de ciproterona/estrógeno; os efeitos sobre o sistema nervoso central têm sido mínimos. Metabolismo endócrino: Efeitos endócrinos: Ginecomastia e sensibilidade no mamilo foram reportados em homens tratados c/ acetato de ciproterona. A incidência de ginecomastia em pacientes c/ câncer de próstata estão por volta de 6% a 13%, c/ monoterapia de acetato de ciproterona ou em regime de combinação. Usando baixas doses de dietilestilbestrol, o inchaço do busto pode ser irreversível. Todos os pacientes: A ginecomastia pode ocorrer menos freqüentemente c/ acetato de ciproterona que c/ dietilestilbestrol em pacientes c/ câncer de próstata. Em um estudo empregando acetato de ciproterona c/ baixas doses de dietilestilbestrol em câncer de próstata, a sensibilização da mama ocorre em 71% dos pacientes, em um tempo médio de 4 meses. A ginecomastia (superior a 4 cm) se observou em 10% dos pacientes em período médio de 12 meses. A sensibilização do peito e a galactorréia c/ a associação da hiperprolactinemia, foram descritas ocasionalmente em mulheres recebendo terapia de acetato de ciproterona-estrógeno. Sufocações vasomotoras c/ excessiva transpiração noturna foram informadas em 8% de pacientes c/ câncer de próstata tratados c/ acetato de ciproterona, c/ um adendo de baixa dose de dietilestilbestrol. Hiperprolactinemia: Foram informados incrementos nos níveis de prolactinemia durante a terapia de acetato de ciproterona, ademais, isso pode não ser sempre clinicamente significativo. Anormalidades lipídicas: Foram descritos em alguns estudos a elevação do colesterol de baixa densidade e abaixo do colesterol de alta densidade. É aconselhável o monitoramento dos lipídios do soro durante a monoterapia, particularmente c/ altas doses. A terapia de combinação de acetato de ciproterona c/ baixas doses de valerato de estradiol (2 mg), tem induzido efeitos favoráveis sobre as lipoproteínas de soro quando se administra como terapia de reposição em período pós-menopáusico. Foi informada uma significativa diminuição no colesterol total e no colesterol de baixa densidade e o colesterol de alta densidade permaneceu inalterado. Ganho de peso: Pode ocorrer em pacientes tratados c/ Androsteron. Gastrointestinais: Náuseas, diarréia, indigestão são efeitos adversos não-freqüentes em ciproterona doses orais. As náuseas foram informadas em 2% dos pacientes c/ câncer de próstata tratados c/ acetato de ciproterona, mais uma baixa dose de dietilestilbestrol em um estudo. Sistema genital: Nos homens, a espermatogênese se inibe c/ a ciproterona e se reduz o volume da ejaculação. Todos esses efeitos são reversíveis. Em mulheres, o baixo tratam. combinado c/ a ciproterona-estrógeno pode produzir irregularidades menstruais. Foram informadas a diminuição da libido tanto em homens como em mulheres sobre o tratam. combinado de acetato de ciproterona-estrógenos. Fígado: Hepatotoxicidade: Foram informados casos de elevações das transaminases séricas tanto em homens como em mulheres tratados c/ acetato de ciproterona; também severos casos de hepatite, alguns dos quais fatais. Hepatite só pode aparecer meses depois da iniciação da terapia. A biópsia do fígado revelou mudanças consistentes c/ drogas idiossincráticas do tipo hepatocelular possivelmente relacionado c/ um metabólito. Os efeitos hepatotóxicos podem ser mais freqüentes em pacientes idosos que recebem altas doses de acetato de ciproterona por tempo prolongado. A função do fígado deve ser monitorada durante a terapia c/ acetato de ciproterona, particularmente nos idosos. Recomenda-se a parada da terapia, caso acorram anormalidades hepáticas. Oculares: Atrofia ótica: Informou-se um caso de perda visual ótica durante o tratam. c/ ciproterona durante um período de 2 anos e meio. A visão retornou gradualmente pouco depois de descontinuar a terapia c/ acetato de ciproterona, sugerindo como conclusão uma relação temporária c/ o tratam.. Respiratórias: A falta de ar associada c/ alcaloses respiratórias tem sido descritas durante a terapia c/ acetato de ciproterona em pacientes c/ câncer de próstata c/ moderada a pouco severa obstrução de ar. Esta normalidade é secundária e os efeitos progestogênicos do acetato de ciproterona produzem um incremento da ventilação. Uma moderada dispnéia por esforço foi descrita em 43% dos pacientes c/ câncer de próstata tratados c/ ciproterona. Pele: Acaloramento: Informaram-se 8% de casos de acaloramento intermitente c/ sudoração noturna excessiva em pacientes c/ câncer de próstata tratados c/ ciproterona. Teratogênese: Efeitos na gravidez: Em estudos em animais, o acetato de ciproterona (em altas doses, não em baixas) foi associado a malformações congênitas. Feminização dos fetos machos também foram descritas seguindo a exposição materna à droga durante o período de diferenciação sexual.

Androsteron - Posologia

No homem: Diminuição do impulso sexual patológico ou patologicamente aumentado: 1 compr. de Androsteron, 2 vezes ao dia, após as refeições, c/ um pouco de líquido. Pode ser necessário aumentar a dose para 2 compr., 2 vezes ao dia e, mesmo transitoriamente, para 2 compr., 3 vezes ao dia. Obtido o resultado terapêutico desejado, deve-se tentar mantê-lo c/ a menor dose possível: 1/2 compr., 2 vezes ao dia, geralmente é suficiente. Ao estabelecer a dose de manutenção, ou quando for necessário interromper o tratam., não se deve reduzir a dose abruptamente, mas de maneira gradual, reduzindo a dose diária em 1, ou melhor, 1/2 compr., c/ intervalos de várias semanas entre cada redução. Para estabilizar o efeito terapêutico é necessário utilizar Androsteron por um período de tempo prolongado, se possível c/ uso simultâneo de medidas psicoterápicas. Carcinoma de próstata inoperável: Após orquiectomia, 2 compr. de Androsteron, 1 ou 2 vezes ao dia. Sem orquiectomia, 2 compr. de Androsteron, 2 ou 3 vezes ao dia. Não modificar a dose ou suspender o tratam. imediatamente após remissão ou melhora. Redução de androgênios em tratam. c/ agonista de LH-RH: 2 compr., 2 vezes ao dia, isoladamente, por 5 dias e, posteriormente, por 3-4 semanas juntamente c/ o agonista de LH-RH. Para eliminar o efeito de androgênios adrenocorticais no tratam. c/ agonista de LH-RH: 2 compr., 1 ou 2 vezes ao dia. Na mulher: Manifestações graves de androgenização, como hirsutismo intenso, alopecia androgênica grave, formas graves de acne e seborréia. Em pacientes em idade reprodutiva: Antes de iniciar o tratam., deve-se efetuar exame geral completo e minuciosa exploração ginecológica, bem como excluir a existência de gravidez. Em pacientes na maturidade sexual, inicia-se o tratam. c/ Androsteron no 1o dia do ciclo menstrual. Pacientes amenorréicos ou que tenham menstruações muito irregulares iniciarão o tratam. imediatamente. Nestes casos observar-se-á o esquema geral de tratam. mencionado a seguir, como se o 1o dia de tratam. tivesse, coincidido c/ o 1o dia do ciclo. Do 1o ao 10o dia do ciclo devem ser ingeridos diariamente 2 compr. de Androsteron, após as refeições, c/ um pouco do líquido. Adicionalmente, para estabilizar o ciclo e para proporcionar a proteção contraceptiva necessária, administrar um preparado contendo associação progestogênio-estrogênio, como acetato de ciproterona + etinilestradiol, 1 drágea por dia a partir do 1o dia da menstruação, durante 3 semanas. A seguir, intercalam-se 7 dias de pausa, durante os quais, haverá sangramento semelhante ao menstrual. Após a pausa, inicia-se novo ciclo de tratam. combinado. Se não ocorrer menstruação, deve-se excluir gravidez antes de continuar o tratam.. Obtida a melhora clínica, pode-se reduzir a dose de Androsteron para 1 ou 1/2 compr. por dia, durante os 10 dias do tratam. combinado. Em alguns casos, o uso isolado de acetato de ciproterona + etinilestradiol pode ser suficiente. Em pacientes histerectomizadas ou em pacientes após a menopausa pode-se administrar exclusivamente Androsteron. Dependendo da gravidade dos distúrbios, utiliza-se 1/2 ou 1 compr. por dia, durante 21 dias consecutivos, intercalando um intervalo de 7 dias antes de iniciar o novo ciclo do tratam.

Androsteron - Informações

Antiandrógeno oral: Androsteron é um preparado hormonal com efeito antiandrógeno que inibe a ação dos hormônios sexuais masculinos que em pequena proporção também se produz no organismo feminino. Atua também como gestageno e antigonadotrófico. No homem, o tratamento com Androsteron atenua o impulso sexual e inibe a função das gônadas. Estas modificações desaparecem ao suspender o tratamento.Androsteron protege os órgãos produtores de andrógenos dependentes como a próstata, frente ao efeito dos andrógenos gonadotróficos e adrenocorticóides Na mulher reduz desarrojo exagerado do cabelo causado pelos andrógenos e a hiperfunção das glândulas sebáceas. Durante o tratamento a função craniana é interrompida. Androsteron inibe a ação dos hormônios sexuais (andrógeno) que também são produzidos no organismo feminino. Por isso é possível o tratamento de algumas enfermidades na mulher causadas por uma produção excessiva de andrógenos ou por uma hipersensibilidade frente a estes hormônios. O desarrojo exagerado do cabelo no rosto e outras regiões corporais, assim como acne e seborréia, manifestações relacionadas com a hiperfunção andrógena depende das glândulas sebáceas.

Bulário Eletrônico

Bulário 4medic, contém tudo o que é preciso saber sobre o remédio como indicações, dosagem/posologia, efeitos colaterais, contraindicações, advertências, precauções e armazenamento de forma simples e intuitiva.