(35) 3713-2218 / (35) 98866-1902

Bula do Medicamento Dimefor

Dimefor - Bula do remédio

Dimefor com posologia, indicações, efeitos colaterais, interações e outras informações. Todas as informações contidas na bula de Dimefor têm a intenção de informar e educar, não pretendendo, de forma alguma, substituir as orientações de um profissional médico ou servir como recomendação para qualquer tipo de tratamento. Decisões relacionadas a tratamento de pacientes com Dimefor devem ser tomadas por profissionais autorizados, considerando as características de cada paciente.

Aviso importante

Todas as bulas constantes em nosso portal são meramente informativas. Em caso de dúvidas quanto ao conteúdo de algum medicamento, procure orientação de seu médico ou farmacêutico.

A 4Medic não vende nenhum tipo de medicamento

Laboratório

Fqm

Referência

Metformina

Apresentação de Dimefor

Embalagens com 30 comprimidos de 500 mg e 850mg.

Dimefor - Indicações

a metformina deve ser usada primariamente no tratamento do diabetes melito tipo 2, quando o tratamento dietético isolado tiver se mostrado insuficiente. É especialmente útil em pacientes com excesso de peso, nos quais a metformina freqüentemente provoca uma diminuição de peso. É também indicado como tratamento complementar com outros antidiabéticos orais, principalmente no caso de falha no tratamento com essas drogas de forma isolada. A metformina também pode ser adicionada ao regime terapêutico para melhorar o controle metabólico e diminuir a necessidade diária de insulina exógena.

Interações medicamentosas de Dimefor

foi relatado redução do clearance renal do medicamento com o uso de cimetidina.
Um aumento da eliminação de anticoagulantes cumarínicos foi observado após administração concomitante de metformina na dose oral de 1 a 3 g/dia. Portanto, pode ser necessário um aumento da dose do anticoagulante oral.
Álcool, barbitúricos, salicilatos e fenotiazinas: pode haver potenciação no risco de acidose láctica quando utilizados concomitantemente com as biguanidas.
Certos agentes hiperglicemiantes (corticosteróides, diuréticos tiazídicos, contraceptivos orais) podem alterar o curso do diabetes e tornar necessário aumento da dose de metformina ou sua combinação com sulfoniluréias, hipoglicemiantes ou terapia com insulina. A metformina usada isoladamente nunca ocasiona hipoglicemia. Entretanto, é necessário estar atento à potencialização de ação, quando é administrada em associação com insulina ou sulfoniluréias hipoglicemiantes.

Reações adversas / Efeitos colaterais de Dimefor

as reações adversas mais comuns com o uso da metformina são perturbações do trato gastrointestinal, como anorexia, náuseas, diarréia e desconforto abdominal. Esses efeitos ocorrem em aproximadamente 10 a 30% dos pacientes e geralmente perduram apenas nos primeiros dias de tratamento. Isto pode ser evitado ou minimizado, iniciando-se o tratamento com uma dose mais baixa e ingerindo a droga sempre durante a refeição. Muito raramente a acidose láctica foi associada ao tratamento com a metformina, porém quase todos os casos relatados envolviam pacientes com contraindicação ao tratamento ou ingestão de doses excessivamente altas.

Dimefor - Posologia

a dose inicial recomendada é de 1 comprimido de 850 mg, duas vezes ao dia, administrada por via oral junto com alimentos. Se for necessário, a dose pode ser aumentada gradualmente até alcançar uma dose máxima de 3 comprimidos ao dia.
Para os comprimidos de 500mg, a dose inicial é de um comprimido duas vezes ao dia (no café da manhã e no jantar). Se necessário a dose poderá ser aumentada, semanalmente, de um comprimido até chegar ao máximo de cinco comprimidos diários, equivalente a 2500mg de metformina (dois no café da manhã, um no almoço e dois no jantar).


Em diabéticos do tipo 2 em uso de insulina pode-se co-administrar Dimefor®, com o objetivo de reduzir a dose de insulina e melhorar o controle glicêmico. A dose diária de insulina é adaptada mediante a medição da glicemia capilar. A ação da metformina é progressiva e uma avaliação final de sua eficácia deve ser feita somente após 3 a 4 semanas de tratamento.

Superdosagem

Sinais e sintomas: os sintomas tóxicos depois de uma superdosagem de metformina podem incluir irritação gastrintestinal, acidose metabólica, hipovolemia, acidose láctica, convulsões, depressão respiratória, oligúria, anúria e hipoglicemia com sintomas que incluem astenia, confusão mental, palpitações, transpiração e vômitos. Os casos citados na literatura, demonstrando elevadas taxas plasmáticas de metformina, com consequente acidose metabólica, foram devidos à inobservância das contraindicações. O prognóstico é favorável quando se estabelece uma hemodiálise que reduza rapidamente a hiperlactacidemia e a eliminação da metformina. Contudo, as hiperlactacidemia e a eliminação da metformina. Contudo, as hiperlactacidemias de origem anóxica, complicando um estado de choque, uma insuficiência respiratória ou hepática, associadas a uma taxa normal ou ligeiramente elevada de metformina, são de difícil reversão.

Tratamento: os episódios hipoglicêmicos leves respondem à administração oral de glicose ou açúcar e ao repouso. A correção da hipoglicemia moderadamente grave pode ser obtida mediante a administração intramuscular ou subcutânea de glucagon. Se o paciente estiver comatoso, é requerida administração intravenosa de solução de dextrose. Em casos de superdosagem ou ingestão acidental deve- se realizar uma lavagem gástrica enérgica e administrar uma solução de bicarbonato. Deverão ser tomadas medidas adicionais adequadas que dependerão da sintomatologia presente.

Características farmacológicas

CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS
A metformina pertence ao grupo das biguanidas, uma classe de drogas antidiabéticas orais bastante distinta química e funcionalmente das sulfoniluréias. Apresenta-se sob a forma de um pó branco, cristalino, higroscópico, solúvel em água e insolúvel em clorofórmio e éter.

FARMACOCINÉTICA: depois da administração oral, a metformina é absorvida parcialmente pelo trato gastrointestinal em aproximadamnete 6 horas. Tem uma meia-vida plasmática de 1,5 a 3 horas. Alcança uma concentração plasmática de 2 a 4 mcg/ml entre 27 e 48 minutos após a administração. A ligação às proteínas plasmáticas é praticamente inexistente. A metabolização em nível microssomal hepático é limitada e o metabólito principal é a hidroximetilmetformina. A dose terapêutica alcança uma biodisponibilidade de 60%. Cerca de 90% da dose é eliminada sem alteração na urina. Uma pequena quantidade é eliminada na saliva.

FARMACODINÂMICA: o mecanismo de ação da metformina não é bem conhecido; ela diminui a glicemia produzindo efeitos tipo insulina em diversos tecidos. Atua na presença de insulina aumentando a utilização de glicose e reduzindo a produção da mesma, portanto contrabalançando a resistência a insulina. Os efeitos da metformina incluem um aumento da utilização da glicose, oxidação e glicogênese pelos músculos sem modificar a síntese de glicogênio do músculo esquelético. Aumenta o metabolismo da glicose a lactato em nível intestinal, reduzindo a gliconeogênese hepática e, possivelmente, a taxa de absorção intestinal de glicose. Pode haver perda de peso, já que diminui a hiperglicemia pós-prandial por aumento da captura de glicose pelo músculo esquelético e adipócitos, e isto possivelmente diminui o apetite. Incrementa a captura da glicose em pacientes obesos e diminui levemente ou não modifica em pacientes não obesos. Por isso a redução de peso corporal ocorre apenas em pacientes obesos. Causa uma diminuição na glicose e insulina plasmática em jejum, melhora a tolerância à glicose e diminui os níveis plasmáticos dos lipídios de forma independente às alterações do peso corporal. Diminui triglicérides, colesterol total e lipoproteínas de baixa densidade. Não incrementa as lipoproteínas de alta densidade.

Dizeres legais

MS: 1.0390.0137


Farm. Resp.:
Dra Marcia Weiss I. Campos
CRF - RJ nº 4499
Fabricado e distribuído por:
FARMOQUÍMICA S/A
Rua Viúva Cláudio, 300
Rio de Janeiro ? RJ
CNPJ: 033.349.473/0003-10
INDÚSTRIA BRASILEIRA

Dimefor - Bula para o Paciente

AÇÃO DO MEDICAMENTO: destina-se ao tratamento do diabetes, e só pode ser usado por prescrição médica.

CUIDADOS DE CONSERVAÇÃO: conservar a temperatura ambiente (entre 15 e 30ºC). Proteger da luz.

PRAZO DE VALIDADE: ao adquirir o medicamento, confiras sempre o prazo de validade impresso na embalagem externa do produto.

ATENÇÃO: Não use remédio se o prazo de validade estiver vencido. Além de não obter o efeito desejado, pode ser prejudicial a sua saúde.

GRAVIDEZ E LACTAÇÃO: como não existem estudos adequados e bem controlados em mulheres grávidas não se deve utilizar a metformina durante a gravidez. Não se sabe se esta droga é excretada no leite humano; entretanto, como muitos medicamentos são excretados por esta via, não se deve administrar Dimefor® em mulheres que estão amamentando.

INFORME SEU MÉDICO A OCORRÊNCIA DE GRAVIDEZ NA VIGÊNCIA DO TRATAMENTO OU APÓS SEU TÉRMINO. INFORME AO MÉDICO SE ESTÁ AMAMENTANDO.

CUIDADOS DE ADMINISTRAÇÃO
Devem ser rigorosamente obedecidas as recomendações médicas referentes à dose diária, maneira de tomar e a duração do tratamento.

SIGA A ORIENTAÇÃO MÉDICA, RESPEITANDO SEMPRE OS HORÁRIOS, AS DOSES E A DURAÇÃO DO TRATAMENTO.

INTERRUPÇÃO DO TRATAMENTO: não interrompa ou modifique o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

REAÇÕES ADVERSAS: as reações adversas mais comuns com o uso da metformina são perturbações do trato gastrointestinal, como: anorexia, náuseas, diarreia e desconforto abdominal. Esses efeitos ocorrem em aproximadamente 10 a 30% dos pacientes e geralmente perduram apenas nos primeiros dias de tratamento. Isto pode ser evitado ou minimizado, iniciando-se o tratamento com uma dose mais baixa e ingerindo a droga sempre durante a refeição. Muito raramente a acidose láctica foi associada com o tratamento com a metformina, porém quase todos os casos relatados envolviam pacientes com contra-indicação ao tratamento ou com ingestão de doses excessivamente altas.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DE ALCANCE DAS CRIANÇAS.

INGESTÃO CONCOMITANTE COM OUTRAS SUBSTÂNCIAS: deve-se evitar a ingestão de bebidas alcoólicas durante o tratamento com o produto. Informar ao médico se estiver usando cimetidina, anticoagulantes cumarínicos, corticosteróides, diuréticos tiazídicos ou contraceptivos orais.



CONTRAINDICAÇÕES
O uso de metformina é contraindicado a pacientes com história de hipersensibilidade à droga, coma hiperosmolar, cetoacidose diabética, insuficiência renal (creatinina maior ou igual a 1,5 mg/dl), insuficiência hepática, insuficiência respiratória grave, história recente de infarto agudo do miocárdio, alcoolismo, história de (ou) estados associados com acidose láctica e estados clínicos predisponentes à hipoxia tecidual (anemia intensa, hemorragias importantes, choque circulatório, gangrena, baixo débito cardíaco), gravidez.

PRECAUÇÕES: como a eliminação da metformina ocorre por via renal, recomenda-se a monitorizarão da função renal do paciente em uso da droga. O tratamento com a metformina deve ser interrompido durante 2 a 3 dias antes de cirurgias ou exames radiológicos contrastados, tais como urografia excretora e angiografias intravenosas, devendo ser reiniciado somente após o paciente ter adquirido o controle da função renal. O uso de metformina também não é recomendável em condições que possam causar desidratação ou em pacientes que sofram infecções graves ou traumas. Em pacientes com quadro clínico de acidose metabólica sem evidências de cetoacidose, deve-se suspeitar de acidose láctica. Nesse caso deve-se suspender imediatamente o medicamento e encaminhar para tratamento hospitalar, voltado para correções de distúrbios hidroeletrolíticos e metabólicos secundários. Os pacientes que fazem uso de metformina devem ter seus níveis de vitamina B12 avaliados anualmente, visto estar relatado uma diminuição reversível na absorção desta vitamina pelo trato gastrintestinal em pacientes em uso prolongado de metformina.
A segurança global da metformina é comparável à das sulfoniluréias. No uso terapêutico da metformina foi relatada a existência de um fator do qual poderia resultar a presença de acidose láctica, que é um transtorno metabólico potencialmente fatal, cuja característica principal é a elevação dos níveis de lactato/piruvato e uma diminuição do pH sanguíneo. Por isso devem ser seguidas as seguintes precauções durante o seu uso: não utilizar em pacientes que tenham um alto risco de acidose láctica, como os que padecem de insuficiência cardíaca, renal e hepática graves, doenças vasculares isquêmicas, insuficiência respiratória, infarto agudo do miocárdio e outras doenças cuja característica seja hipoxemia; deve-se contactar imediatamente o médico caso o paciente apresente dor abdominal, vômito, hiperventilação, náuseas ou mal-estar geral.

CARCINOGÊNESE, MUTAGÊNESE E DANOS À FERTILIDADE
Embora estudos in vivo em animais não tenham sido realizados para avaliar seu potencial carcinogênico, não se encontrou potencial mutagênico. Em ratas, a fertilidade e o desempenho reprodutor não foram afetados pela metformina em estudos efetuados para avaliar esses tipos de alterações.


O uso de metformina não elimina a necessidade de uma dieta hipoglicídica em todos os casos de diabetes, assim como de regime hipoglicídico e hipocalórico quando houver também excesso de peso.

NÃO TOME REMÉDIO SEM CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA A SUA SAÚDE.

Data da bula

12/12/2017

Bulário Eletrônico

Bulário 4medic, contém tudo o que é preciso saber sobre o remédio como indicações, dosagem/posologia, efeitos colaterais, contraindicações, advertências, precauções e armazenamento de forma simples e intuitiva.